Tuesday, December 13, 2016

Orchid - Orquídeas


Me, and my helmet such an un-conventional kid
All intense and kinetic, at best tolerated from afar
Not yet arrested, and by that I mean betrothed
Though a start I am newly courted
I've just not been trusted with alters
I'm a sweet piece of work, well intentioned yet disturbed
Wrongly label-ed and under-fed, treated like a rose as an orchid
My friends, as they weigh in, get understandably protective
They have a hard time being objective
So inside we cancel each other out
I'm a sweet piece of work, well intentioned and unloved
Unlabeled and misunderstood, treated like a rose as an orchid
You've brought water to me, making sure my bloom rebounds
You know best of what my special care allows
So I've lived in my blind spot
Thought myself usual when I'm not
And your garden is a nice spot
As long as it is brave and where you are
For this sweet piece of work, high maintenance and deserted
I've been different and deserving, treated like a rose as an orchid
Sweet piece of work, overwhelmed un-observed
I've been bowed down to but so misread
Treated like a rose as an orchid
-Alanis Morissette

Love, Dja

Thursday, October 27, 2016

Alfa Female Wolf - Loba Alfa


Like the moon, the ocean tides and the bit of moisture in the desert.... Mysterious.

Like the black sun behind the bright one, mysterious...

Breathe in deeply this profound moment, my scent and essence... You are aware of my presence.
-Dja Pierce

 

Monday, October 3, 2016

Tuesday, September 20, 2016

Creator and Destroyer - Criadora e Destruidora



"I feel like I should warn you. There is a fierce feminine fire building. It is Kali Ma-like, creator and destroyer.
Burner of all that must go so that life can give birth to life. She is the wolf-woman coming, hard and strong and asking you for more than you want to give, but only because she loves you.
She knows that your greatest self can only rise from the ashes of the lesser you.
Kali means dark mother or black one. She is most often depicted in her destructive form — a bloodthirsty goddess, killer of Shiva and eater of babies. The demon goddess, the goddess of death.
But Kali is more than that. She is not just ruler of death, but of life, too. The early Tantric texts identify Kali as Mother, the primary and primordial creator, the womb of the Universe. All things rise from her and disappear again into her; endless cycles of birth and death, creation and destruction.
Kali is Om, she is Shakti, she is existence.
Understanding destruction as an exquisite and essential element of life, this is not the tender feminine, this is tough love to the core. This is purification by fire.
In The Encyclopedia of Myths, Barbara Walker tell us that,
Tantric worshippers of Kali thought it essential to face her Curse, the terror of death, as willingly as they accepted Blessings from her beautiful, nurturing, maternal aspect.
For them, wisdom meant learning that no coin has only one side: as death can’t exist without life, so also life can’t exist without death.
And so you must do the same. Have the courage and endurance to face what must die in you, and the rewards will be unparalleled.
I met this energy fullest in Peru last year; in Ayahuasca, the Mother Vine. Never have I experienced such annihilation, or such great love.
She taught me many things, among which was the importance of the labor pain and the sacrifice we make for our children, whether they be of blood and bone or another structure.
It’s no coincidence so many people are having babies right now.
We (especially women) are being asked to understand this role, both submission to the larger forces — to the archetype of this fierce goddess, and our power as an active participant in the destruction and re-birthing that happens in our individual lives.
There is change coming, sacrifice that needs to be made. This is not new, it’s been happening all year, but it’s not done. And it hasn’t demanded this much from you yet, so be ready.
Maybe you’ll want to think about where your loyalty lies, so that you don’t get caught off-guard when it hits. Is it with your ego’s will or with your soul, your destiny? What are you willing to give for that?
Those who’ve already done a lot of work this year may find she’s not too rough, but if you have been avoiding your work, or avoiding it in specific areas, get ready to be called out.
Prepare. Nurture yourself. Do some internal house-cleaning. Know what, and who, supports you and have them close. Most of all: breathe, trust.
It’s all for your highest good."


“If you prefer smoke over fire
then get up now and leave.
For I do not intend to perfume
your mind’s clothing
with more sooty knowledge.

No, I have something else in mind.
Today I hold a flame in my left hand
and a sword in my right.
There will be no damage control today.

For God is in a mood
to plunder your riches and
fling you nakedly
into such breathtaking poverty
that all that will be left of you
will be a tendency to shine.

So don’t just sit around this flame
choking on your mind.
For this is no campfire song
to mindlessly mantra yourself to sleep with.

Jump now into the space
between thoughts
and exit this dream
before I burn the damn place down.”

Adyashanti

Love, Dja

Ancestors - Ancestrais



"Just as our creative gifts come to us from a sacred source, it's a comfort knowing the wisdom we gain through times of loss and difficulty is passed down to us from those that have gone before – from a pool of wisdom compiled through the experience of many generations, on loan to us while we find our way. By accepting it, we also accept the responsibility of where it came from – a precious gift from the ones who knew and loved us most, and from the ones we never knew but who guide us gently with invisible hands. It’s our job to receive it, integrate it, and share it as a chapter in the broader story of our collective lives. Who we are becoming includes our personal experiences, as well as the memories and wisdom of the dead, grafted to our spirits so that the ancestors live on. In this way, our pain is not ours alone."
Kristen Roderick | Artwork by Joyce Tenneson

Love, Dja

Friday, April 22, 2016

I Was Afraid - Eu Tinha Medo

Sympathetic Character
(Alanis Morissette)
I was afraid you'd hit me if I'd spoken up
I was afraid of your physical strength
I was afraid you'd hit below the belt
I was afraid of your sucker punch
I was afraid of your reducing me
I was afraid of your alcohol breath
I was afraid of your complete disregard for me
I was afraid of your temper
I was afraid of handle being flown off of, oh
I was afraid of holes being punched into walls
I was afraid of your testosterone
I have as much rage as you have
I have as much pain as you do
I've lived as much hell as you have
And I've kept mine bubbling under for you
You were my best friend
You were my lover
You were my mentor
You were my brother
You were my partner
You were my teacher
You were my very own sympathetic character
I was afraid of verbal daggers
I was afraid of the calm before the storm
I was afraid for my own bones
I was afraid of your seduction
I was afraid of your coercion
I was afraid of your rejection
I was afraid of your intimidation
I was afraid of your punishment
I was afraid of your icy silences
I was afraid of your volume
I was afraid of your manipulation
I was afraid of your explosions
'Cause I have as much rage as you have
I have as much pain as you do
I've lived as much hell as you have
And I've kept mine bubbling under for you *(E eu borbulhava apenas por dentro, para não comprometer você)
You were my best friend
You were my lover
You were my mentor
An' you were my brother
You were my partner
You were my teacher
You were my very own sympathetic character
You were my best friend
You were my lover
You were my mentor
You were my brother
You were my partner
You were my teacher
You were my very own sympathetic character
You were my keeper
You were my anchor
You were my family
You were my savior
And therein lay the issue *(E foi daí que surgiu tanto trauma)
And therein lay the problem *(E é ai que mora os nossos problemas)
And therein lay the issue *(E foi daí que surgiu tanto trauma)
And therein lay the problem *(E é ai que mora os nossos problemas)



Love, Dja

Monday, March 21, 2016

Highly Sensitive - Profundamente Sensível

 

I'm overwhelmed by this presence... As I learn to stay with my core, your gentle smile enters my eyes, your approach fills my cracks with joy and my breathing has changed since I saw it for the first time... The highly sensitive understands what's not said, feels what's underneath, pulses thick and thin with the wave patterns of every encounter... 
Pulling from every direction is this sound, this presence in every little gesture pulling and saying; -I'm there and you're here...

"We’ve been on a roll since
Your breath first graced my skin
This fire unfolds steadily
It keeps me warm within"

On my mind, the still picture of your face isn't so still... It has told me many stories and convinced me to trust your guiding, it has kept me company, every night, just before I fall asleep.
And when I wake up every morning, it invites me to reconsider my old habits and to remember who I am...


-Dja Pierce

Early Monday - Segunda-Feira Bem Cedo



Com Amor, Dja

Thursday, March 17, 2016

Saint Patrick's Day - Dia De São Patrício

The Real Irish-American Story Not Taught in Schools


To support the famine relief effort, British tax policy required landlords to pay the local taxes of their poorest tenant farmers, leading many landlords to forcibly evict struggling farmers and destroy their cottages in order to save money. (Sketch: The Irish Famine: Interior of a Peasants Hut)
“Wear green on St. Patrick’s Day or get pinched.” That pretty much sums up the Irish-American “curriculum” that I learned when I was in school. Yes, I recall a nod to the so-called Potato Famine, but it was mentioned only in passing.
Sadly, today’s high school textbooks continue to largely ignore the famine, despite the fact that it was responsible for unimaginable suffering and the deaths of more than a million Irish peasants, and that it triggered the greatest wave of Irish immigration in U.S. history. Nor do textbooks make any attempt to help students link famines past and present.
Yet there is no shortage of material that can bring these dramatic events to life in the classroom. In my own high school social studies classes, I begin with Sinead O’Connor’s haunting rendition of “Skibbereen,” which includes the verse:
… Oh it’s well I do remember, that bleak
December day,
The landlord and the sheriff came, to drive
Us all away
They set my roof on fire, with their cursed
English spleen
And that’s another reason why I left old
Skibbereen.
By contrast, Holt McDougal’s U.S. history textbook The Americans, devotes a flat two sentences to “The Great Potato Famine.” Prentice Hall’s America: Pathways to the Present fails to offer a single quote from the time. The text calls the famine a “horrible disaster,” as if it were a natural calamity like an earthquake. And in an awful single paragraph, Houghton Mifflin’s The Enduring Vision: A History of the American People blames the “ravages of famine” simply on “a blight,” and the only contemporaneous quote comes, inappropriately, from a landlord, who describes the surviving tenants as “famished and ghastly skeletons.” Uniformly, social studies textbooks fail to allow the Irish to speak for themselves, to narrate their own horror.
These timid slivers of knowledge not only deprive students of rich lessons in Irish-American history, they exemplify much of what is wrong with today’s curricular reliance on corporate-produced textbooks.
First, does anyone really think that students will remember anything from the books’ dull and lifeless paragraphs? Today’s textbooks contain no stories of actual people. We meet no one, learn nothing of anyone’s life, encounter no injustice, no resistance. This is a curriculum bound for boredom. As someone who spent almost 30 years teaching high school social studies, I can testify that students will be unlikely to seek to learn more about events so emptied of drama, emotion, and humanity.
Nor do these texts raise any critical questions for students to consider. For example, it’s important for students to learn that the crop failure in Ireland affected only the potato—during the worst famine years, other food production was robust. Michael Pollan notes in The Botany of Desire, “Ireland’s was surely the biggest experiment in monoculture ever attempted and surely the most convincing proof of its folly.” But if only this one variety of potato, the Lumper, failed, and other crops thrived, why did people starve?
Thomas Gallagher points out in Paddy’s Lament, that during the first winter of famine, 1846-47, as perhaps 400,000 Irish peasants starved, landlords exported 17 million pounds sterling worth of grain, cattle, pigs, flour, eggs, and poultry—food that could have prevented those deaths. Throughout the famine, as Gallagher notes, there was an abundance of food produced in Ireland, yet the landlords exported it to markets abroad.
The school curriculum could and should ask students to reflect on the contradiction of starvation amidst plenty, on the ethics of food exports amidst famine. And it should ask why these patterns persist into our own time.
More than a century and a half after the “Great Famine,” we live with similar, perhaps even more glaring contradictions. Raj Patel opens his book, Stuffed and Starved: Markets, Power and the Hidden Battle for the World’s Food System: “Today, when we produce more food than ever before, more than one in ten people on Earth are hungry. The hunger of 800 million happens at the same time as another historical first: that they are outnumbered by the one billion people on this planet who are overweight.”
Patel’s book sets out to account for “the rot at the core of the modern food system.” This is a curricular journey that our students should also be on — reflecting on patterns of poverty, power, and inequality that stretch from 19th century Ireland to 21st century Africa, India, Appalachia, and Oakland; that explore what happens when food and land are regarded purely as commodities in a global system of profit.
But today’s corporate textbook-producers are no more interested in feeding student curiosity about this inequality than were British landlords interested in feeding Irish peasants. Take Pearson, the global publishing giant. At its website, the corporation announces (redundantly) that “we measure our progress against three key measures: earnings, cash and return on invested capital.” The Pearson empire had 2011 worldwide sales of more than $9 billion—that’s nine thousand million dollars, as I might tell my students. Multinationals like Pearson have no interest in promoting critical thinking about an economic system whose profit-first premises they embrace with gusto.
As mentioned, there is no absence of teaching materials on the Irish famine that can touch head and heart. In a role play, “Hunger on Trial,” that I wrote and taught to my own students in Portland, Oregon—included at the Zinn Education Project website— students investigate who or what was responsible for the famine. The British landlords, who demanded rent from the starving poor and exported other food crops? The British government, which allowed these food exports and offered scant aid to Irish peasants? The Anglican Church, which failed to denounce selfish landlords or to act on behalf of the poor? A system of distribution, which sacrificed Irish peasants to the logic of colonialism and the capitalist market?
These are rich and troubling ethical questions. They are exactly the kind of issues that fire students to life and allow them to see that history is not simply a chronology of dead facts stretching through time.
So go ahead: Have a Guinness, wear a bit of green, and put on the Chieftains. But let’s honor the Irish with our curiosity. Let’s make sure that our schools show some respect, by studying the social forces that starved and uprooted over a million Irish—and that are starving and uprooting people today.

Love, Dja

Monday, March 14, 2016

Patidos Políticos - Political Parties

Enquanto estivermos divididos por partidos políticos ou de qualquer outra forma, continuaremos profundamente divididos como seres, nesta realidade humana...
-Dja Pierce

While we are divided by political parties or otherwise, we will continue deeply divided as beings in this human reality...
-Dja Pierce
Love, Dja

Thursday, March 10, 2016

You are - Você é


You are not what you do. You are not what you don’t do.

You are not the job title. You are not a labeled societal sub group.
You are not your personality;
You are not a happy person, a depressed person or an angry person.
You are not a definition of your own qualities.

Who are you? 
You are not who your mother says you are.
You are not who your best friend says you are.
You are not your own descriptions of yourself.

Drop all the labels, titles, designations, descriptions, accomplishments and even failures.

Below the labels, beneath the layers, on the most subtle level…

What do you feel?
What is left?
What is there?

Who are you?

If you are not what you do,
If you are not what others say you are,
If you are not a set of descriptions,
Who are you?
Lets move a little deeper.

You are not defined or confined by the limits of your physical body.
You are not your beating heart, you are not your breath.
You are not your mind, emotions or thoughts.
If you are not all these “things”…
Who are you?
A better question may be not who are you, but what are you?

Take a deep breath into every cell of your being. As you exhale release all the labels, all the descriptors, titles, both other and self created. Bask in this space.
What are you?
Close your eyes and feel your way to it. Don’t define it, don’t put it into words, but feel it completely.
Do you feel a sense of spaciousness, of limitlessness, of infinite potential?
If you are not all or any of these things, if you can not be defined or put into words, but only felt.
What are you?
Remember who, or better yet, what you really are.
Remember your potential, remember your limitless possibility.
Remember that you can not be defined, by self or other.
Remember what you are, where you come from and why you’re here.
Remember your knowingness, your awareness, remember your truth.
What are you?

You are the awareness of all these things.
You are embedded deep within yet extend far beyond.
You are the driving force of all these things.
You are both the wave and the ocean.
You are both the dance and the dancer.
You are both the creator and the container.
You are me as I am you.

Love, Dja

Tuesday, March 8, 2016

Pensamentos de Mulheres - Women Thoughts





 
Don't let anyone marginalize your feelings or your value.
Love, Djanine♥
Não deixe que ninguém marginalize os teus sentimentos e o teu valor.
Com Amor, Djanine♥

Our Choice - Nossa Escolha


Love, Dja

Monday, March 7, 2016

Sustainable Energy - Energia Sustentável

There is no place to go, no excuse to not take responsibility and participate in the clean up. We have done "impossible" things in the past, it should have thought us that when we put our minds to it, we will find and receive our miracles... This is calling for healing, not only the healing of the ocean, but our own....
Love, Dja
Não há nenhum lugar para ir que não seja 'estar aqui'. Não desculpa para não compartilhar desta responsabilidade e participar da limpeza. Nós fizemos coisas "impossíveis" no passado, deveria ter-nos ensinado que, quando colocamos nossas mentes em direção da cura, vamos encontrar e receber os nossos milagres ... Este quadro apresentado na forma está pedindo cura, não só a cura do oceano, mas a nossa íntima e profunda cura pessoal que é a 'do mundo'....  
Com Amor, Dja.

Friday, March 4, 2016

Good Things - Coisas Boas

Love, Dja

Water - Água

An Indigenous Approach to Healing with Water

HealingWaterFeature

For the Desana people, speaking to the Water is a key to healing

In recent years many people have been captivated by the images of Dr Masaru Emoto, showing the world how intention may have the capacity to affect water on a structural level. For the first time we were able to clearly visualise what a particular intention, such as gratitude, may look like in the form a single snowflake-like structure, photographed under a microscope.
The list of different photographs that could be taken using this technology is endless, as people have been purposefully affecting water with their intention, or recognising the unique subtle qualities of different water sources throughout human history. The Christian tradition is the obvious example with the ongoing performing of rituals they claim turns regular water into holy water, however vibrational essences and the water from flower baths are just a few further examples of water being affected intentionally for healing purposes.
Alt text hereDr. Emoto’s water blessed by gratitude (left) and Holy Water (right)

Indigenous Healing With Water

We shouldn’t be surprised to learn that there have been cultures who have held this understanding since long before microscopes and cameras existed to show them that their prayers or intentions were having some kind of tangible effect.  Verification instead came to them in the form of efficacy in healing.  Water was charged with healing intention, and then given to someone who was sick, and when their health was restored, the practice was deemed useful and it’s use was continued. In this way, this practice has been carried through to the present day from ancient times.  One such culture which has found this practice effective is the Desana tribe who continue to reside in the Amazon on both sides of the Colombian/Brazilian border.
The practice of charging liquids, particularly herbal medicines with intention is widely practiced throughout the Amazon basin among many different language groups, most often done with whistling or song, and/or the blowing of tobacco smoke over the liquid.
Members of the Desana TribeMembers of the Desana Tribe

Imbuing Water With Healing Intention

One term used in spanish is curar, to cure – used in much the same way we use this word when referring to clay tiles curing in the sun, or salted meat being cured, inferring that the intention is perhaps preserved in the structure of the water molecules. It has a double meaning in that one cures the liquid etc. in the preserving intention sense, in order to cure the patient in the healing sense. This is likely part of why a healer in the amazon is most commonly known as a curendera or curandero: one who cures. Another term for this practice in the Amazon is icarar.
The verb icarar means to sing or whistle an icaro [medicine song] over a person, object or preparation to give it power; water over which an icaro has been sung or whistled and tobacco has been blown, for example is called agua icarada
Anthropologist Luis Eduardo Luna tells of how [mestizo shaman] Don Williams Vasquez deals with difficult childbirth, singing icaros [medicine songs] of slimy fish, demulcent and mucilaginous trees, the slippery boa, and the ray, which can give birth in any position. He sings these songs over a glass of water, which is given for the woman to drink. – Steve Beyer, Singing To The Plants
Alt text hereBlessing water with sacred tobacco

The Desana Tribe Of The Vuapes River Region

The Desana stand as a particularly good example of this practice because in their culture exists a field of specialisation in this exact art. The Desana are unique in that they have three distinct types of shamans and the ones that work with incantations, usually over liquids, are known to be capable of healing with water and intention alone. This person is referred to as a kubu or kumu.
The kumu cures by the inaudible recitation of highly formalised therapeutic spells over a liquid the patient then drinks.’ – Steve Beyer, Singing To The Plants
A term that isn’t loaded with quite the same negative connotations as ‘spells’ is the Desana word bayi, which speaks of curing in both the healing sense as well as the encoding of intention into a liquid.  Bayi also brings with it the same kind of reverence and sacredness as the word ‘pray’.
For the Desana, this object [often water], which gives the incantation a material support, functions as a “medium”; it transfers the incantation to the patient. – Domonique Buchillet, Portals Of Power
Alt text hereThe Desana Tribe of the Amazon

Why Not Simply Sing Or Speak The Incantation Over The Sick Person?

According to the kubu shamans of the Desana, their incantations when used without some kind of physical carrier like water have more precision and are able to target the exact cause of the illness with more accuracy, but work more slowly. Perhaps the effect is slower to arrive, or slower to manifest into some kind of physical change, or both.
When reciting their incantation over a physical agent like a liquid for drinking or a plant for rubbing on the person, the Desana claim that the cure is faster acting, more penetrating, has more materiality and permanence, though it not as precise.

Cultivating The Ability To Encode Water With Healing Intention

If Dr. Masaru Emoto is right then we are very likely accidentally affecting the environment around us with our thoughts and feelings every where we go, every single day – and water seems to be particularly conductive and sensitive to the emanations of our consciousness. If we wish to more actively affect the quality of the water around us the following lessons can be learned from the kubu of the Desana tribe.
The apprentice kubu, kudu pegi, is literally ‘the one who listens’. – Domonique Buchillet, Portals Of Power
Alt text hereLearning the practice of deep listening

Deep Listening

For the Desana, much of the listening required is the listening to the incantations being passed down in a lineage, so I’m sorry to say that those reading this article are unlikely to gain the powers claimed by a kubu. What we can do however is examine the qualities that they are trying to cultivate while they are learning the incantations of their ancestral line. There is a depth to the type of listening that they are trying to cultivate. The Desana speak of learning to be able to sit still on a bench that in their tradition is ‘intimately tied to thought and reflection’. Their term for intelligence is partly derived from a word that means: to listen, to hear, to comprehend, to understand, to know.
Indigenous Australians, Kalahari Bushmen in Africa, Apache Indians, Indigenous Hawaiians and many more traditional cultures place a profound level of focus on deep listening to nature. For example the Lipan Apache philosophy as taught by Stalking Wolf / Tom Brown / Jon Young, is that as we listen deeply we develop threads of connection to the living world. This could explain why deep listening allows for more powerful incantations as the person is able to call on the aspects of nature he has formed strong threads or even ropes of connection with. For more information on the cultivation of deep listening practices check out our article about the Indigenous Australian concept of ‘Dadirri’.
Alt text hereIndigenous Australians have a deep connection to nature through listening

Purification and Fasting

Another aspect of gaining knowledge and the ability to focus and transfer intention powerfully and accurately is the practice of purification and fasting. Purification through emetic plant purges apparently removes blockages preventing knowledge from coming in.
For you with your tape recorder and notebooks, it is easy to learn this incantation. For me it was very difficult. I had to fast and remain awake all night to learn it. – A Desana Kubu, Portals Of Power
One of the fundamental methods of shamanic training in the Amazon is the practice of self imposing strict limitations on diet and spending time in isolation in the forest, listening for the songs of the plants that one is trying to establish relationships with. Perhaps it is the mental and physical discipline gained from fasting that hones the ability to focus intention in a powerful way, however the deepest lessons come from actually doing the practice yourself and receiving knowledge and experience directly. If you choose to explore fasting, please do extensive research and proceed with care. Getting a checkup and speaking to your physician is advised before exploring this path.
tambo 
A modern day Tambo for isolation diets and fasting

How Is This Helpful In My Daily Life?

Whether you believe fully in the possibilities outlined in this article or whether you are a more sceptical, it can be helpful to remember that in recent studies science has found that even when a person knows they are receiving a placebo it is still effective in a statistically significant way.
So the next time you sit down to eat a meal, think of all the cultures that give gratitude for their meals and consider that almost every piece of food you are likely to eat contains water.  What would the image look like if Dr Emoto took a picture of the water in that food now charged with gratitude?  What would the image look like of the water in our body that had come into contact with this water from our gratitude charged food?
The next time you’re cooking soup for a loved one who isn’t feeling well, you could consider singing it a song that warms your heart.  When you run a bath for yourself at the end of a long stressful day, consider the affect the epsom salt crystals, the essential oils and music may be having on not only the water in the bath, but the water in your body that makes up approximately 70% of who you are.
Alt text hereWe can positively affect our water before we drink it

Healing With Water On A Global Scale

If water is extremely conductive of electricity then this conductivity could also extend to more subtle levels of energy that science is now only at the edge of being able to measure.  Remember also that water has also been observed by eastern traditions as perhaps the best example of being able to adapt and change to any situation. Conductivity and adaptability.
We may not be masters of encoding water with intention like the Desana, or masters of focus like buddhist monk, but what we lack in depth of focus we may be able to make up for with sheer volume of people. What excites me is the idea that millions of people may be able to collectively use their intention to take advantage of the conductivity and adaptability of water, by coming into a space of deep listening and receptivity and then focusing our intention on sending their blessing to the waters of this planet. This may be to bring healing to the waters themselves, but like this practice of using the water as a carrier for healing individuals, a large enough and focused enough collective may be able to bring about healing or re-alignment in not just the water but all those who come into contact with it – and there is nothing this planet needs more than that.

By Jonathan Davis on Tuesday March 1st, 2016

Love, Dja

Thursday, March 3, 2016

One Voice - Uma Voz

 Truly Touched...


Love, Dja

Não Apago Nada - I Erase Nothing

Eu não apago nada nesta minha vida.
Cada coisa, cada mínima coisa, fez de mim o que sou agora. As coisas belas, ensinaram-me a amar a vida. As coisas más, a saber vivê-la.

-Bob Marley

Com Amor, Dja

Thursday, February 4, 2016

The Art of Apology - A Arte De Se Desculpar

There is a common misperception that if we apologize, somehow we are debasing ourselves. Admitting that we are, on an “innate value” level, somehow less than another person. As though having more or less value than someone can even possibly be true! A snowflake is a snowflake: There is no value difference—although ego and life and competitive tendencies and punitive parenting styles (where they deem you “bad” or “worse,” to the CORE of who you are, versus just addressing that “that behavior doesn’t WORK” in a given context) may say there is a value difference. But it is simply not true. Keeping the behavior and the person’s value distinct is what tell the truth about our innate goodness. Ie: you may be taller or shorter or faster than someone, but this does not affect one’s innate value.
Another perception around apology is that if we admit our responsibility or our regret (more on the art of this in a second) that somehow we are opening ourselves up to being punished. Or even that we are courting punishment and admonishment simply by admitting that we messed up.
While it may be true that an apology could elicit the receiver of the apology to unleash their projected self-hatred onto us … again, that would not be based in the truth of what apology is:
A deeply humble and empowered expression or acknowledgment of regret and/or misstep, combined with empathy, and a wish to make things right.
The kind of apology I am speaking about is TOTAL. It is not the kind of apology that puts a pin in something, only to have the behavior being apologized for be repeated ad infinitum—having the apology serve as a way to “buy time.” The kind of apology I am describing is one in which true responsibility is being taken. This requires a few qualities:
Presence.
Humility.
Empowerment.
The ability to reflect.
The ability to take ownership.
The willingness to be kind toward our own humanity … aka not beat ourselves up.
The ability to feel feelings such as empathy and regret.
The ability to feel along with the person across from us to whom we are apologizing.
There are four elements or steps to apology:

1. State what it is we are apologetic for, specifically, in a very information-based way, using the word “I.” It simply isn’t effective to say, “I am sorry you are hurt by this.” That can come across as invalidating and also distancing from the responsibility. If I interrupted you, I would not say, “I’m sorry you felt interrupted.” Rather, I would say: “I am sorry I interrupted you while you were speaking.” Full ownership.
This focus is on naming “what actually happened”—informationally, while owning that it was indeed your behavior and action, and the effects of that that you are apologizing for, not the person’s interpretation of the event.
The key with this part of the apology is NOT to defend through explanation. An example of defending through explanation might be: “I didn’t mean to hurt you” or “I was actually picking up a phone call” or “The plane flew overhead and I didn’t hear you.” ANY version of explanation is felt as a defense and comes across as a resistance to making a full apology. There will be plenty of time later, when the apology is fully expressed (often this is a mere few seconds later FYI), to clarify any miscommunications or misunderstandings. In my experience, once someone feels your genuine apology for any hurt an action of yours may have created (however misinterpreted the action may have been!) they are quick to assume the best of you; and they will likely open up, of their own accord, to your experience and your perspective. Imposing your perspective too early stops the positive impact of apology in its tracks, and keeps both people in the defended position.
2. Express regret and empathy: “I regret stepping on your words. I can imagine that might not have felt so great.” An expression of empathy here is profoundly impactful.
3. Express what you will do differently next time (or, rather poignantly, “If I had it to do all over again, what I would do differently is…”). Example: “I will listen intently and with full presence if you’ll allow the conversation to continue.” Don’t assume the person will want to pick up from where you left off. But if they’re willing, you are invited to start afresh in the moment, a lovely opportunity to take them up on. If not, likely there will be another opportunity in the future for you to interact with them differently, and apply this (newfound?) intention.
This above step is to let them know what you would do differently if you had it to do all over again, and importantly–that you are not rushing them to forgive you—this agenda to receive forgiveness, once again, can take the kind wind out of the apology’s sails. There is no reason to ask for forgiveness. I would recommend staying in the generosity zone. As asking for forgiveness is seeking absolution…something the person can willingly offer (or not) in their own time. It is so important to keep it about the other person when apologizing, while staying firmly empowered in your own skin.
4. Sometimes staying in the seat of apology for a length of time is key too. If you are too quick to jump into “Are we done?” or “Do you forgive me?,” it doesn’t offer the receiver of the apology the breathing space to take the apology in, fully. If your apology is genuine, you may need to stay still … and sit in the generosity of your empathic mea culpa. You cannot rush this process.
If it is a particularly deep hurt, or deeply triggered wound for them, this could be their cleaning up and healing of something that has plagued them their whole life—not only in your relationship, but in others as well. This could well take more than 30 seconds to take in! Stay with them.
~
Once you have expressed your apology, ownership, empathy, and regret, leave room for all of that really LAND. And let them take the lead as to when you begin speaking again. Any number of responses are ideally welcomed: They might stay in stony silence. They might cry. They might process some more anger around it—and I recommend leaving copious amounts of room for this. (I am not talking about receiving any kind of acting-out of anger on you, however. Anger expressed in words is different than their taking out their anger ON you.)
In all, let the feelings be processed. And hold space, offer deep presence. And don’t waver from your generosity and genuine care.
Within an apology, here is something to keep in the front of your mind that will support your sustained empowerment and presence, if that is indeed a challenge:
You are apologizing for the regrettable action; you are NOT apologizing for EXISTING, or for BEING a failure. The latter would be untrue and tends toward shame attacks that spiral and spin you downward into self-absorption— a another way to lessen the kind impact of the apology.
Having been on both ends of this kind of fully present and open-hearted apology, I can’t tell you which end feels better. They both feel healing and connective, in the end. While certainly there is hurt and anger or regret and discomfort to traverse through, the payoff holds the greatest rewards: re-establishing a bond, growth, healing, warmth, empowerment, raised consciousness and awareness … and a true sense of partnership and intimacy.

by Alanis Morissette

Thursday, January 14, 2016

Sentimentos e Emoções - Feelings and Emotions

Lidando com as Emoções
 





Queridos amigos,
Estou encantado de estar com vocês novamente e me comunicar com vocês desta forma. Devo lhes dizer que isto também significa muito para mim. Eu tenho muito carinho por estes encontros, pois, desta forma, Eu posso chegar mais perto de vocês do que a partir do seu próprio plano de realidade.
Mas Eu sempre vivo nos seus corações e Eu espero por momentos do seu tempo, em que vocês estão abertos e suscetíveis à minha energia. A minha energia, a energia Crística que está renascendo nesta época, não é somente minha energia. Ela não é simplesmente a energia de um homem que viveu na Terra numa época: ela é um campo de energia coletivo, do qual vocês fazem parte de uma forma mais profunda do que vocês percebem.
Uma vez vocês fizeram um voto, vocês todos estabeleceram a sua intenção de levar esta energia para a realidade da Terra, de ancorá-la na Terra. Durante muitas vidas, muitos séculos, vocês trabalharam nessa missão. Vocês todos estão no processo de dar à luz a semente Crística que existe dentro de vocês, e Eu estou ajudando-os. Eu fui um precursor, mas a propagação da semente Crística foi um esforço coletivo. Até mesmo a minha vinda à Terra só foi possível graças ao campo de energia que estava presente aqui, criado por vocês. Nós trabalhamos juntos, nós somos uma unidade.
Portanto, Eu sou acessível a todos vocês. Eu não estou exclusivamente disponível para uma única pessoa. Eu estou a serviço de todos vocês.
Hoje Eu quero falar sobre uma questão que os toca profunda e freqüentemente na sua vida cotidiana. É sobre lidar com as emoções.
Na última vez Eu falei sobre as energias masculina e feminina que correm através dos seus campos de energia e chakras. Eu enfatizei a importância de curar os três chakras inferiores, como um dos requisitos para se tornarem inteiros e completos em si mesmos. Eu achei que era importante enfatizar isto, porque alguns de vocês, que anseiam pelo espiritual, têm a tendência de se reservar – tanto em pensamentos, quanto em sentimentos – aos chakras superiores.
O cardíaco, o terceiro olho e o chakra coronário são atraentes para vocês, porque estes centros de energia levam-nos a contatar os reinos mais elevados que são tão naturais para vocês. Mas a verdadeira ruptura interior deve ocorrer agora no nível inferior, na área dos chakras inferiores, mais perto da Terra.
A área das emoções é uma área vital no processo de crescimento em direção à liberdade e à integridade. Vocês são seres espirituais. Vocês vieram de um plano de realidade, onde a densidade e a rotina da realidade da Terra era desconhecida por vocês. Agüentar isto foi difícil.
Através de muitas vidas, vocês tentaram expressar a sua energia cósmica aqui na Terra. E nesta expressão, na canalização da sua energia para a Terra, muitos traumas profundos foram criados. O corpo emocional, que todos vocês possuem, está repleto de ferimentos e traumas. É disto que Eu vou falar hoje.
Qualquer pessoa que está no caminho do crescimento interior sabe da importância das emoções: que vocês não devem reprimi-las, que vocês devem chegar a um acordo com elas, que vocês finalmente devem libera-las. Mas nem sempre está claro como isso realmente funciona
Primeiro Eu quero fazer uma distinção entre emoções e sentimentos.
Não estou preocupado aqui com termos ou rótulos – vocês podem lhes dar nomes diferentes – mas Eu quero fazer uma distinção entre emoções, no sentido de energias que são essencialmente expressões de mal-entendimentos, e sentimentos ou energias que são uma forma de maior entendimento. Os sentimentos são os seus professores, enquanto as emoções são as suas crianças.
Emoções são energias que têm uma manifestação clara no corpo físico. Emoções são reações a coisas que vocês não compreendem realmente. Pensem no que acontece quando vocês são tomados por um acesso de raiva. Por exemplo, quando alguém inesperadamente fere os seus sentimentos e vocês começam a ficar com raiva. Vocês podem sentir isso muito claramente no seu corpo: vocês começam a sentir a energia ficando tensa em algumas partes. Esta tensão física ou aperto, que segue o choque energético, mostra que há algo que vocês não compreendem. Existe uma energia vindo ao encontro de vocês, que vocês acham que é injustificada. O sentimento de ser tratado injustamente – em resumo, o não-entendimento – é expressado através da emoção. A emoção é a expressão do não-entendimento, é uma explosão energética e uma liberação.
Quando isto acontece, vocês se confrontam com as seguintes escolhas: o que vou fazer com esta emoção? Vou basear meu comportamento atual nela? Vou usar isto como um combustível para as minhas reações a outras pessoas? Ou vou deixar essa emoção aí e basear minhas ações em outra coisa?
Antes de responder estas perguntas, quero explicar a natureza dos sentimentos.
Essencialmente, as emoções são explosões de mal-entendimento que vocês podem perceber claramente no corpo. Sentimentos, por outro lado, são de uma natureza diferente e também são percebidos de forma diferente. Eles são os sussurros da alma, que chegam a vocês através de leves cutucadas, de um conhecimento interior, ou uma súbita ação intuitiva que mais tarde vai se revelar muito sábia.
As emoções sempre carregam algo muito intenso e dramático dentro delas. Pensem nos ataques de ansiedade, pânico, raiva ou tristeza profunda. As emoções dominam vocês completamente e empurram vocês para longe do seu centro espiritual. No momento em que vocês estão altamente emocionais, vocês estão cheios de um tipo de energia que os afasta do seu centro, da sua clareza interior. Neste sentido, as emoções são como nuvens encobrindo o sol.
Com isto, não quero dizer nada contra as emoções. As emoções não deveriam ser reprimidas; elas são muito valiosas como um meio para vocês conhecerem a si próprios mais intimamente. O que eu quero é declarar qual é a natureza da energia emocional: ela é uma explosão de mal-entendimento. As emoções essencialmente tiram vocês do seu centro. 
Os sentimentos, por outro lado, levam vocês mais profundamente para dentro de si mesmos, para o seu centro. Os sentimentos são intimamente associados àquilo que vocês chamam de intuição. Os sentimentos expressam uma compreensão mais elevada, um tipo de compreensão que transcende tanto as emoções quanto a mente.
Os sentimentos têm origem num reino não-físico, fora do corpo. É por isso que eles não são tão claramente localizados em um ponto do corpo físico. Pensem no que acontece quando vocês percebem alguma coisa, um ambiente ou um humor, ou quando vocês têm pressentimentos sobre alguma situação. Nessas ocasiões, existe um tipo de conhecimento com vocês, que parece vir de fora, e que não é uma reação sua a alguma coisa externa. Vocês o recebem de fora, mas ele vem “do nada”. Em tais momentos, vocês podem sentir alguma coisa se abrir no chakra do coração.
Existem vários momentos em que esse conhecimento interior vem para vocês. Por exemplo, vocês podem “saber” alguma coisa a respeito de alguém sem ter conversado muito com ele ou ela. Vocês podem perceber alguma coisa a respeito de vocês dois, que mais tarde desempenhará um papel importante no seu relacionamento, mas que não é fácil de ser definido com palavras – “é simplesmente uma sensação” – e com certeza não é entendido facilmente pela mente (Estes são os momentos em que a sua mente se torna cética, dizendo-lhes que vocês estão inventando coisas ou ficando loucos).
Eu gostaria de mencionar uma outra energia que tem uma natureza mais de “sentimento” do que de emoção. É a alegria. A alegria pode ser um fenômeno que transcende o emocional. Algumas vezes, vocês podem sentir uma alegria interna que os eleva, sem uma razão especial. Vocês sentem a divindade dentro de si mesmos e a sua conexão íntima com tudo que existe. Este sentimento pode vir para vocês quando vocês menos esperam. É como se vocês fossem tocados por algo Maior, ou tocassem uma realidade Maior. Os sentimentos não são convocados tão facilmente e parecem vir para vocês “do nada”. As emoções quase sempre têm um causa clara e imediata: um disparador no mundo exterior que “aperta os seus botões”.
Os sentimentos originam-se nas dimensões do seu Ser Superior. Vocês precisam estar quietos internamente, para poder captar esses sussurros do seu coração. As emoções podem perturbar esse silêncio e essa paz interiores. Portanto, é vital que vocês se tornem emocionalmente calmos e curem e liberem as emoções reprimidas. É só através dos seus sentimentos, que os conectam com a sua alma, que vocês podem tomar decisões equilibradas.
Estando quietos e em paz, vocês podem sentir com todo o seu ser o que é certo para vocês, num determinado momento. Tomar decisões com base na emoção é tomar decisões a partir de uma posição não-centrada. Vocês precisam liberar as emoções primeiro e entrar em contato com o seu centro interno, onde existe clareza. 
Agora vamos à questão de como vocês podem lidar melhor com as emoções.
Eu disse que “os sentimentos são seus professores e as emoções são as suas crianças”. Os paralelos entre “ser emocional” e “ser como uma criança” são notáveis. Sua “criança interior é a sede das suas emoções. Inclusive existe uma semelhança notável entre a forma com que vocês lidam com as suas emoções e a forma com que vocês lidam com as suas crianças (de verdade).
A criança é sincera e espontânea em suas emoções e não as esconde nem as reprime, até que os adultos a incentivam a fazer isso. Entretanto, o fato da criança expressar espontaneamente as suas emoções não significa que ela vivencia as suas emoções de uma forma equilibrada. Todo mundo sabe que uma criança pode ser levada por suas emoções (raiva, medo ou tristeza) e muitas vezes é incapaz de pôr um fim nelas. Em tais situações, a criança pode quase se afogar nas suas emoções e isto faz com que ela se desequilibre, ou seja, fique fora do seu centro.
Uma das razões para esta emotividade incontrolada é que a criança acabou de sair de um mundo no qual quase não existem limites. Nas dimensões etéricas ou astrais, não há restrições ou limitações como as que existem no reino físico, dentro de um corpo físico. As emoções das crianças geralmente são “reações de mal-entendimento” a esta realidade física. Portanto, a criança precisa de ajuda e apoio, quando ela começa a lidar com as suas emoções. Isto é uma parte do processo de “encarnar equilibradamente” na Terra.
Então, como vocês podem lidar com as emoções, sejam elas as suas próprias ou dos seus filhos?
As emoções não deveriam ser julgadas nem reprimidas. As emoções são uma parte vital de vocês, como seres humanos, e assim elas precisam ser respeitadas e aceitas. Vocês podem olhar para as suas emoções como se fossem seus filhos, que precisam da sua atenção e respeito, e da sua orientação.
A melhor forma de se encarar uma emoção é como uma energia que vem a vocês para a cura. Portanto, é importante que vocês não sejam totalmente arrebatados pela emoção, mas que se mantenham aptos a olhar para ela de uma posição neutra. É importante que se mantenham conscientes. Podemos colocar esta questão da seguinte forma: vocês não deveriam reprimir uma emoção, mas também não deveriam mergulhar nela. Pois, quando vocês se afundam na emoção, quando vocês se identificam com ela completamente, a criança em vocês torna-se um tirano que os desviará do caminho.
A coisa mais importante a fazer com uma emoção é permitir que ela aflore, sentir todos os seus aspectos, mas sem perder a consciência enquanto isso. Tomem por exemplo a raiva. Vocês podem convidar a raiva a estar completamente presente, experienciá-la em diversos pontos do corpo de vocês e, enquanto isso, ao mesmo tempo, vocês ficam observando-a de uma forma neutra. O que acontece, então, é que vocês abraçam a emoção – que é essencialmente uma forma de mal-entendimento – com a compreensão. Isto é alquimia espiritual.
Por favor, deixem que eu explique isto com a ajuda de um exemplo. Digamos que o seu filho tenha batido o joelho na mesa e esteja realmente com muita dor. Ele está perturbado, zangado, berrando de dor, e chuta a mesa, porque está bravo com ela. Ele acha que a mesa é a causadora da sua dor.
Orientar emocionalmente, neste momento, quer dizer que o pai primeiro ajuda a criança a definir a sua experiência:- “Você está bravo, não está? Você está com dor, certo?” Definir é essencial. Assim o pai transfere a raiz do problema da mesa para a própria criança. “O problema não está na mesa. É você que está machucado, é você que está bravo. E, sim, eu entendo a sua emoção!”
O pai abraça a emoção da criança com compreensão, com amor. No momento em que a criança se sente compreendida e reconhecida, sua raiva gradualmente se desvanece. A dor física pode ainda estar presente, mas a resistência da criança à dor, a raiva relacionada com ela, podem se dissolver. A criança percebe a compaixão e a compreensão nos olhos do pai e isso acalma e suaviza suas emoções. A mesa, a causa das emoções, não é mais relevante.
Ao abraçar uma emoção com compreensão e compaixão, o pai muda o foco de atenção da criança do exterior para o interior, e ensina a criança a se responsabilizar pela emoção. Ele está mostrando ao filho que sua reação a um causador externo não é o habitual, mas que é uma questão de escolha. “Você pode escolher a incompreensão ou a compreensão. Você pode escolher brigar ou aceitar. Você pode escolher.”
Isto também se aplica ao relacionamento de vocês com as suas próprias emoções, com a sua própria criança interior. Permitir que as suas emoções aflorem, defini-las e fazer um esforço para compreendê-las, significa que vocês realmente respeitam e tratam com carinho a sua criança interior. Fazer a mudança do “externo” para o “interno”, responsabilizando-se pela emoção, ajuda a criar uma criança interior que não quer machucar ninguém e que não quer sentir-se vitimada. Emoções fortes – seja raiva, tristeza ou medo – sempre têm o componente da impotência, isto é, o sentimento de que vocês são vítimas de algo que está fora de vocês. O que acontece quando vocês não se focalizam nas circunstâncias externas e sim na sua própria reação e na sua dor, é que vocês “demitem” o mundo externo do papel de causador das suas emoções. Vocês já não se importam tanto com o que deu origem à emoção. Vocês voltam-se completamente para dentro e dizem a si mesmos: “Está bem, esta foi a minha reação e eu entendo o porquê. Eu entendo porque eu me sinto deste jeito, e eu vou apoiar a mim mesmo nisto.” 
Voltar-se para as suas emoções de uma forma tão amorosa é libertador. Isso requer uma certa auto-disciplina. Liberar a realidade externa do papel de “fonte do mal” e assumir totalmente a responsabilidade significa que vocês reconhecem que “escolhem reagir de uma determinada maneira”. Vocês param de discutir sobre quem está certo e quem está errado, quem é culpado pelo o que, e vocês simplesmente liberam toda a cadeia de situações que ocorreram fora do seu controle. “Agora eu vivencio esta emoção totalmente consciente de que eu escolho fazer isto.” Isto é assumir a responsabilidade. Isto é coragem!
A auto-disciplina, neste caso, é desistir de ser o correto e de ser a vítima indefesa. É desistir de sentir raiva, de se sentir mal-compreendido e de todas as outras expressões da condição de vitima, das quais muitas vezes vocês até gostam (Na verdade, vocês freqüentemente alimentam as emoções que mais os incomodam). Responsabilizar-se é um ato de humildade. Significa ser honesto consigo mesmo, inclusive nos seus momentos de maior fraqueza.
Esta é a auto-disciplina que é solicitada de vocês. Ao mesmo tempo, esta espécie de volta para dentro requer a mais alta compaixão. A emoção que vocês estão sinceramente preparados para encarar como sua própria criação, também é vista com amável compreensão. “Você escolheu a raiva, desta vez, não foi?” – isto pode ser o que vocês vão descobrir a respeito de si mesmos. A compaixão lhes diz: “Está bem, eu posso perceber a razão disto, e eu o perdôo. Talvez se você sentir mais claramente o meu amor e o meu apoio, você não vai sentir-se inclinado a ter essa reação na próxima vez.”
Este é o verdadeiro papel da consciência na auto-cura. É isto que a alquimia espiritual significa. A consciência não luta nem rejeita coisa alguma, ela envolve a escuridão com a percepção. Ela envolve as energias da incompreensão com a compreensão e assim transforma metal em ouro. Consciência e amor são essencialmente a mesma coisa. Ser consciente significa deixar que algo exista e rodeá-lo com amor e compaixão.
Freqüentemente vocês pensam que a “consciência sozinha” não é suficiente para superar os seus problemas. Vocês dizem: “Sei que eu tenho uma emoção reprimida, conheço a causa dela, estou consciente, mas ela não vai embora.”
Neste caso, existe dentro de vocês uma resistência sutil a essa emoção. Vocês mantêm essa emoção à distância, de medo de serem dominados por ela. Mas vocês nunca são dominados por uma emoção, quando vocês conscientemente escolhem admiti-la.
Enquanto vocês mantêm a emoção à distância, vocês estão em guerra contra ela; vocês estão lutando contra a emoção e ela se voltará contra vocês de inúmeras formas. Vocês não conseguirão deixá-la do lado de fora, no fim. Ela se manifestará no seu corpo, como uma dor ou tensão, ou como sentimentos de depressão. Sentir-se abatido ou aborrecido freqüentemente é um sinal claro de que se está reprimindo certas emoções.
A questão é que vocês precisam permitir que as emoções penetrem completamente na sua consciência. Se vocês não sabem exatamente que emoções estão lá, vocês podem muito bem começar sentindo as tensões no corpo de vocês. Isto é uma porta para as emoções. No seu corpo, tudo é armazenado. Por exemplo, se vocês sentem dor ou tensão na área do estômago, vocês podem ir até lá com a sua consciência e perguntar o que está acontecendo. Deixem que as células do seu estômago falem com vocês. Ou imaginem que há uma criança bem ali. Peçam à criança que lhes mostre qual é a emoção predominante nela.
Existem várias maneiras de contatar as emoções que estão dentro de vocês. É vital compreender que a energia que ficou presa na emoção quer se movimentar. Esta energia quer ser libertada e, assim, ela bate à sua porta sob a forma de um problema físico ou uma sensação de estresse ou depressão. Para vocês, é uma questão de realmente se abrir e estar preparado para sentir a emoção.
As emoções são parte da sua realidade terrena, mas elas não deveriam dominar vocês. As emoções são como as nuvens para o sol. Por isso é importante estar atento às suas emoções e lidar com elas conscientemente. Com um corpo emocional limpo e equilibrado, é muito mais fácil contatar a alma de vocês, ou o seu âmago, através da sua intuição.
Na sua sociedade, existe muita confusão a respeito das emoções. Isto é evidente, entre outras coisas, pela quantidade de debates e confusão que existe em torno de como criar seus filhos. As crianças são claramente muito mais espontâneas emocionalmente do que os adultos. Isto cria dificuldades. E se algumas das suas fronteiras morais forem atravessadas? E se a situação sair do controle e surgir  o caos? Deve-se disciplinar as crianças ou deixá-las expressarem-se livremente? As emoções delas devem ser controladas, ou não?
O que é importante na educação de uma criança é que ela aprenda a entender as suas emoções; entender de onde elas vêm e assumir a responsabilidade por elas. Com a ajuda de vocês, a criança pode aprender a ver suas emoções como “explosões de incompreensão”. Este entendimento evita que a criança “se afogue” nas suas emoções e saia do controle. O entendimento liberta e a traz de volta ao seu próprio centro, sem reprimir as emoções. Os pais ensinam seus filhos a lidar com as emoções deste modo, ao serem o exemplo vivo disso.
Todas as perguntas que vocês têm a respeito de como lidar com seus filhos também se aplicam a vocês mesmos. Como vocês enfrentam as suas próprias emoções? Vocês são duros consigo mesmos? Quando vocês ficam zangados ou tristes por muito tempo, vocês disciplinam a si mesmos, dizendo “vamos lá, mexa-se e não demore!”? Vocês suprimem a emoção? Vocês sentem que é bom e necessário disciplinar a si mesmos?
Quem lhes ensinou isto? Foi um dos seus pais?
Ou vocês vão para o outro extremo? Isto é, vocês “mergulham” nas suas emoções, não querendo se desapegar dela. Este também é um caso freqüente. Vocês podem ter sentido, durante muito tempo, que eram vítimas de alguma situação externa a vocês, como por exemplo, a sua educação, o seu parceiro ou o seu ambiente de trabalho. Num certo momento, pode ter sido muito libertador entrar em contato com a raiva que estava dentro de vocês, relacionada com coisas negativas que os influenciaram. A raiva pode permitir que vocês se libertem dessas influências, e sigam seu próprio caminho. No entanto, vocês podem ficar tão enamorados da sua raiva, que não queiram mais soltá-la. Ao invés de se tornar uma porta, ela se torna um “modo de vida”. Surge então uma forma de estado de vítima, que é tudo menos curativa. Ela impede-os de se manter verdadeiramente no seu próprio poder. É muito importante responsabilizar-se por suas emoções e não fazer delas “verdades absolutas”. Quando vocês lhes dão o status de verdades ao invés de enxergá-las como “explosões de incompreensão”, vocês baseiam suas ações sobre elas, e isso leva a decisões não centradas.
O mesmo acontece com crianças a quem é dada muita liberdade emocional. Elas “têm acessos de fúria” e ficam incontroláveis; elas tornam-se pequenos tiranos, e isto não está certo. O caos emocional é tão desagradável para a criança como é para os pais.
Em resumo, vocês podem ser, ou muito rigorosos ou muito brandos, ao lidarem com as suas emoções (e analogamente, com os seus filhos). Quero aprofundar-me um pouco mais no modo “brando”, pois esse parece estar mais em uso hoje em dia. Desde os anos sessenta, tem havido uma compreensão coletiva de que suprimir as emoções não funciona, porque isso sufocaria a espontaneidade e criatividade – na verdade, a própria alma. A sociedade produziria crianças obedientes e disciplinadas, que dariam mais importância às regras do que aos sussurros do coração, o que seria uma tragédia – tanto para a sociedade quanto para o indivíduo.
Mas, o que vocês me dizem do outro extremo: justificar as emoções de tal modo, que elas tomem as rédeas e governem a sua vida?
Vocês podem observar, dentro de si mesmos, se existem emoções que vocês alimentam de tal forma, que realmente as enxergam como verdades (no lugar de enxergá-las como o que elas realmente são: explosões de incompreensão). Vocês se identificaram com estas emoções. O paradoxo é que, muito freqüentemente, essas são emoções que lhes causam muito sofrimento. Por exemplo: o estado de vítima (“Eu não posso fazer tal coisa”, “Eu não posso evitar isto”), a liderança (“Eu cuidarei disto”, “Eu dou um jeito.”), tristeza, medo, ansiedade, etc... Todas estas emoções são dolorosas mas, em um outro nível, elas lhes dão algo em que se agarrar.
Vejam a “sensação de vítima”, por exemplo. Pode haver vantagens neste padrão de sentimento. Ele pode dar-lhes uma sensação de segurança. Ele os libera de certas obrigações e responsabilidades. “Não posso evitar isto, não é mesmo?”. Vocês estão sentados num canto escuro, mas lhes parece um canto seguro.
O perigo de se identificar ou “se fundir” com esse tipo de padrão de sentimento por muito tempo, é que vocês perdem contato com a sua própria liberdade verdadeira, com o seu centro íntimo e divino.
Algumas coisas podem ter entrado na vida de vocês, que provocaram, justificadamente, emoções de raiva e ressentimento em vocês. Isto pode ter acontecido na sua juventude, mais tarde, ou até em vidas passadas. É muito importante que vocês contatem essas emoções conscientemente, e percebam a raiva, a tristeza e qualquer outra energia intensamente carregada, dentro de vocês. Mas, num certo momento, vocês precisam responsabilizar-se pelas suas emoções, pois elas constituem as suas reações a um acontecimento externo.
Estar centrado, ser claro e poderoso e espiritualmente equilibrado, significa que vocês assumem a responsabilidade por todas as emoções que estão em vocês. Vocês podem, então, reconhecer a emoção da raiva (por exemplo) dentro de si mesmos e, ao mesmo tempo, dizer: “Esta foi a minha reação a certos acontecimentos. Eu envolvo esta reação com compreensão mas, ao mesmo tempo, eu tenho a intenção de liberá-la.”
Em última análise, a vida não é uma questão de estar certo; é uma questão de ser livre e inteiro. É muito libertador liberar as velhas reações emocionais que acabaram tornando-se um “estilo de vida”.
Pode-se dizer que tudo se trata de um caminho intermediário sutil entre suprimir as emoções e afogar-se nelas. Dos dois lados, vocês foram criados com opiniões e ideais que não estão de acordo com a natureza da alquimia espiritual. A essência do crescimento espiritual é que vocês não suprimem nada, mas, ao mesmo tempo, assumem total responsabilidade por isso.
“Eu sinto isto, eu escolho esta reação, para que eu possa curá-la.” Reivindicar a sua maestria – na verdade, é disto que se trata a minha mensagem de hoje.
Talvez não seja realmente um caminho intermediário, mas um caminho diferente. Trata-se da maestria espiritual. Ao aceitarem tudo que existe dentro de vocês, vocês elevam-se acima disso e tornam-se o seu mestre. A maestria é tanto forte, quanto gentil. Ela é muito  tolerante, mas também exige muita disciplina: a disciplina da coragem e da honestidade.
Reivindiquem a sua maestria, tornem-se mestres de todas as porções de emoção que os torturam, muitas vezes pelas suas costas. Entrem em contato com elas, assumam a responsabilidade. Não se deixem levar por feridas emocionais inconscientes, que desviam vocês e bloqueiam o seu caminho para a liberdade interior. É a sua consciência que cura. Ninguém mais pode restaurar o poder sobre as suas próprias emoções, além de vocês mesmos. Não existem ferramentas ou meios externos para tirar essas emoções de vocês. É quando vocês se tornam conscientes delas, com força, determinação e compaixão, que elas são liberadas para a Luz.
Tornar-se inteiro e livre, no nível emocional, é um dos aspectos mais importantes do crescimento espiritual.
Quero terminar dizendo: não tornem isto mais difícil do que é. O caminho espiritual é um caminho simples. Tem a ver com o amor por si mesmo e com a claridade interior. Não requer nenhum conhecimento especifico, nem rituais específicos, nem regras, nem métodos. Todas as coisas que vocês precisam para o seu crescimento espiritual está dentro de vocês mesmos.
Em um momento de quietude, vá para a sua parte sentimental. Deixe que a sua parte sentimental lhe diga o que precisa ser clareado e limpo dentro de você. Confie na sua intuição. Trabalhe nela. Acredite em si mesmo. Você é o mestre da sua própria vida, o mestre do seu caminho único para o amor e a liberdade.
 

Jeshua canalizado por Pamela Kribbe

Esta canalização foi apresentada para uma audiência ao vivo, no dia 6 de fevereiro de 2005, em Haarven, Holanda.
O texto falado foi ligeiramente modificado para facilitar a leitura.

© Pamela Kribbe 2005
www.jeshua.net

Tradução para o português: Vera Corrêa  veracorrea46@ig.com.br
Revisão: Luiz Corrêa

Com Amor, Dja